blogagem coletiva, Wanderlust

Desafio Wanderlust

Wanderlust é uma palavra alemã que não tem tradução para o português mas que significa algo semelhante a um desejo profundo de viajar. Dizem os linguistas da internet que a palavra vem de origem germânica foi criada a partir da junção do verbo Wandern (que significa fazer uma caminhada) com Lust (que significa luxúria mesmo igual em inglês) e que caiu em desuso na época medieval. Eu acho essa história meio louca por alguns motivos, primeiro, eu não entendo nada de alemão então pode ser uma grande lorota, segundo, a palavra virou modinha no nosso século né? Então pode ser só invenção de marketing mesmo! Particularmente eu prefiro uma outra palavra em Alemão para definir meu desejo de deixar a rotina e buscar coisas novas, a Fernweh, mas não dá para negar que o Wanderust é a palavra favorita dos viajantes, 9 em 10 blogs de viagem falam sobre ela, 8 em 10 blogueiros de viagem tem ela tatuada em algum lugar, etc.
De uns meses para cá está rolando na internet uma TAG nos blogs de viagem sobre Wanderlust. São várias perguntas, que de vez em quando mudam um pouquinho, mas que contam um pouco dos motivos que levaram aquela pessoa a gostar tanto de viajar.
Fui desafiada pela Simone Hara do maravilhoso http://www.familiaviagem.com.br/ para responder algumas perguntinhas abaixo. Para quem quiser ler as respostas da Simone, só entrar aqui.

TAG Wanderlust

1 – Quando e para onde ia o seu primeiro avião?

Reza a lenda que minha primeira viagem de avião foi uma ponte aérea quando eu tinha 8 meses de idade para visitar uma família conhecida que morava em SP. Segundo a minha mãe, o vôo teve tanta turbulência que ela achou que nós morreríamos e eu nem completaria 1 aninho. Felizmente eu não me lembro de nada desse vôo e não me causou nenhum trauma.


Já o primeiro vôo que eu lembro foi para a Disney quando eu tinha 14 anos. Foi a primeira vez que eu estava completamente sozinha, fui com excursão mas sem amigos e ninguém da família, e até hoje eu tenho certeza que eu amo viajar por causa dessa viagem e da forma como eu me senti independente e adulta por 15 dias. Viajei de VASP alguns meses depois deles declararem falência e foi um vôo bem tenso. Lembro que mesmo falida ganhamos escova, pasta de dente e pente de cabelo mesmo estando na econômica! Hoje em dia só ganhamos água!!!!

2 – Para onde já foi e gostaria de voltar?

Essa é bem difícil! Eu amo tanto Paris, que já voltei 3 vezes. Eu amo conhecer lugares novos mas também gosto de voltar para os lugares que eu gosto, já repeti Londres, Munique, Buenos Aires, NY… Mas se tivesse que escolher um lugar, voltaria para a Nova Zelândia e ficaria muito tempo por lá.


3 – Você está viajando amanhã e dinheiro não é problema, para onde você vai?

Se o dinheiro não é o problema, eu tiraria um ano sabático e daria uma volta ao mundo! Sonho antigo!!!! Paradas: Peru, Cuba, Equador, Costa Rica, Japão, Nova Zelândia, Indonésia, Filipinas, Nepal, Marrocos, Botswana, Namíbia, Zimbábue e Moçambique.

4 – Método preferido de viagem: avião, trem ou carro?

Trem!!! Amo!!! Mas o avião é essencial, né? Só não amo, tenho um medo controlado! rs.


5 – Site preferido de viagens?

Eu amo o Viaje na viagem. Sou leitora há anos!! Me inspira, me tira de roubadas. Sou melhor amiga do Ricardo Freire e ele nem sabe! Depois que tive a Julia acompanho o http://viajandocompimpolhos.com/ e vários outros sites de famílias viajantes (tem vários lá no Blogroll). Adoro! Sou super viciada em viajar pelos olhos de outras pessoas.
Eu uso muito o www.booking.com, o tripadvisor e o edreams.

6 – Para onde você viajaria só para comer a comida local?

Para o Camboja e Tailândia!!! Para a Índia também.


7 – Você sabe seu número de passaporte de cabeça?

Claro que não!! Mas sei a data de validade porque eu morro de medo de não conseguir viajar porque o passaporte está vencido.

8 – Você prefere o assento do meio, corredor ou janela?

Janela! Mas depois que eu tive a Julia perdi minha janelinha… e ela FECHA a janela!!! Já tirei ela a força do assento por causa disso!

9 – Como você passa o tempo quando está no avião?

Durmo. Avião me dá um sono imediato! Melhor que carro. Mas também assisto filmes e seriados. As vezes eu leio, mas me dá mais sono.

10 – Existe algum lugar para onde você nunca mais voltaria?

Não. Eu voltaria para todos os lugares. Por maior que tenha sido o perrengue sempre tem um restaurante, um museu, umas pessoas que valem o lugar valer um milhão de voltas!


Aproveito e convido a Vanessa do Partiu de Van para participar do desafio.

E você? Concorda, discorda, coloca suas respostas nos comentários!!!

Disney, Estados Unidos, Orlando

Animal Kingdom – Sugestão de roteiro para famílias com crianças pequenas

 

O Animal Kingdom é o parque da Disney que foca na vida animal. O parque possui muitos shows, animais e personagens. Sem dúvida nenhuma até a semana passada o parque era o mais menosprezado da Disney! Por ser um parque mais voltado para interações com animais e não ter muitos brinquedos radicais muitas pessoas pulam o parque quando estão com uma agenda mais apertada. Mas a partir de sexta passada isso certamente irá mudar!! Sexta foi inaugurada a nova área do parque, toda inspirada em Pandora, a cidade do filme Avatar. Contando com uma cenografia fenomenal e um novo simulador que promete elevar a dose diária de adrenalina dos visitantes, a nova área do parque certamente fará com que o parque pule a frente de todos os outros parques no quesito imperdível.

Eu quase não fui no parque por outro motivo, a premissa do parque/zoológico. Não curto mesmo e não adianta falar que tem muito espaço e tal, continua não sendo o habitat do bicho e na minha opinião é sofrimento. Embora não maltrate os animal, como o Sea World, os animais ficam restritos. Mas eu estava indo com uma criança pequena e estava ficando em um hotel com os mesmos bichos, o que é confuso mas foi o melhor custo beneficio que encontramos, então resolvi ir no parque para depois confirmar as minhas opiniões. Era o único parque da Disney que eu nunca tinha ido e para piorar o meu lado fotógrafa estava bem animado para tirar umas fotos dos animais.

Minha primeira impressão foi: O parque é enorme mas não é cansativo! É o maior parque da Disney por metro quadrado mas a maior parte dele é área destinada aos animais, então a área apresentada para os visitantes não é tão cansativa quanto o Epcot, por exemplo.

Vale lembrar que fizemos o Animal Kingdom no dia da nossa transferência de hotel, ou seja, fizemos o check out do Animal Kingdom Lodge (quem quiser saber como foi nossa experiência nele, basta ler AQUI), deixamos nossas bagagens no maleiro e fomos para o parque e quando saímos dele, voltamos no Animal Kingdom Lodge, pegamos nossas malas e fomos para o Cabana Bay.

Vou dividir o post por região já que eu acho que isso economiza muito o tempo gasto no parque. Vou mostrar o roteiro na ordem que fizemos. Conseguimos fazer todas as atrações mas pegamos algumas fechadas para reparo.

Dicas gerais:

  • Chegue cedo e aproveita a extra magic hour pela manhã se você estiver em um hotel Disney. Vá direto para o Kilimanjaro Safari bem cedo por dois motivos: Primeiro, a luz está maravilhosa e vai garantir fotos lindas. Segundo, a maioria dos animais estará acordado. Se você não tem as Magic Extra Hours chegue no parque antes do horário de abertura e assim que entrar vá para o Kilimnajaro.
  • Não deixe de reservar um café ou almoço no Tusker House. Já falei sobre ele AQUI.
  • O parque tem um número de atrações perfeito para ser aproveitado em um dia inteiro desde que não esteja muito lotado. O Animal Kingdom é um parque perfeito para se chegar cedo e fazer as atrações com calma até o horário do fechamento.
  • Nossos 3 FP+ foram: Dinosaur (a fila aqui pode ser bem longa pela manhã), Everest (agendamos para as 15h) e Kilimanjaro Safari (repetimos o safari no final do dia já que o Kali River estava fechado). O que eu faria diferente: agendaria um FP+ para o Lion King já que os melhores lugares são para quem está agendado) e se o Kali River estivesse aberto eu certamente abriria mão do FP+ do Dinosaur e gastaria nele.
  • Em dias de calor o parque deve ser um alívio já que tem bastante sombra e área verde. Como fomos no inverno, sentimos bastante frio.

 


A divisão do parque ocorre por 6 áreas: Oasis, Discovery Island, África, Ásia, Dinoland e Pandora. Infelizmente não vamos falar sobre a Pandora porque quando fomos ela ainda não estava aberta para visitação 😦 Mas vamos falar sobre as outras.

Oasis


É a área de entrada do parque. Encontramos algumas atrações com aves, tipo showzinho. Além de uma filial do restaurante Rainforest Café que fica um pouco antes da entrada do parque. Nós já haviamos ido duas vezes no Rainforest na Disney Paris, acabamos pulando os de Orlando e gastamos nosso $ com outros restaurantes que ainda não conhecíamos.

– Backstage tales – É daqui que saem o tour pelos bastidores do parque. Eu queria muito ter feito! Não aceitam crianças e o valor é de 90 dólares além da entrada do parque.

– The Oasis Exhibits – É uma trilha que passa pelas pedras, atravesando pontes suspensas e vários lagos com patos e outros pássaros. Passamos bem rápido por essa parque porque o frio da manhã estava de doer. Aqui é possível ver os animais sendo alimentados.

Resista a tentação de para na Discovery Island e siga direto pela esquerda para a área da África. No caminho você passará por uma ponte que liga a Discovery Island à África. É um excelente ponto de fotografia, com o Everest no fundo, aproveite que o parque ainda está vazio para conseguir uma foto sem 300 pessoas aparecendo.

África

É uma área bem bonita que recria os mercados africanos, com muitos artistas de rua tocando e dançando. Aqui fica uma das atrações mais concorridas do parque, o Kilimanjaro Safari, além do restaurante queridinho Tusker House. Aqui também fica o show do Rei Leão que é uma delícia. Ao entrar nessa área siga até o Kilimanjaro.

– Kilimanjaro Safari – O aguardado Safari acontece durante todo o dia e pode ter filas de até 2 horas em dias lotados. O passeio acontece em um caminhão que leva bastante gente, se você gosta de fotografia tente sentar no último assento, para não atrapalhar os animais o caminhão para poucas vezes e quem fica atrás acaba tendo melhores opções de fotografar.  Minha melhor recomendação é, faça o safari no horário mais cedo que você conseguir para conseguir ver o maior número de animais ativos. O Leão, por exemplo, passa quase 20h por dia dormindo, para conseguir vê-lo acordado só indo muito cedo no safari. Nós fizemos o passeio duas vezes, um às 8h e outro às 16:50 (onde gastamos nosso terceiro FP+), fizemos o segundo Safari porque eu achei que a luz do final do dia seria mais bonita para fotografar os animais e porque eu queria fazer o safari dos dois lados do carrinho para poder fotografa o maior número de animais possível. Gastei meu FP+ à toa! No período da tarde quase todos os animais estavam dormindo e a sensação que tivemos era de que quase não tinham animais por lá. Já pela manhã vimos MUITOS animais, ativos inclusive, até brigando, inclusive o Sr Leão que se exibiu bastante. Se você, por algum motivo não conseguir ir no Safari cedo, opte pelo final do dia, durante o restante do tempo eu não gastaria meus preciosos minutos na fila (longa!) para não ver quase nada.

Altura mínima: Não possui restrição.

Tempo de duração: 20 minutos (sem contar o tempo da fila)


– Gorilla Falls Exploration Trail – Uma trilha, que começa bem próxima da saída do Kilimanjaro, onde é possível fazer uma trilha andando onde é possível ver Gorilas, Peixes, Morcegos, algumas aves, animais invertebrados (é um casebre escuro onde encontramos cobras, sapos e alguns roedores). É bem interessante e o bom é que como não há restrição de tempo dá para olhar tudo com calma. Andamos tranquilamente com a Julia no carrinho por aqui. As grandes estrelas da trilha são os gorilas, lindíssimos!

Altura mínima: Não possui restrição.

Tempo de duração: 20 minutos andando com calma.

– Wildlife Express Train – É um trenzinho que faz uma percurso até o Rafiki’s Planet (Lembram do Rafiki? o Macaco meio doidão do Rei Leão). O legal é que você vai sentado de lado observando tudo sem ficar com dor no pescoço no final. Pelo caminho você passa pelos bastidores do Animal Kingdom, na parte onde os animais ficam abrigados, especialmente os rinocerontes e elefantes. Nós não fizemos o passeio, que estava fechado no horário que nós estávamos nessa área do parque, mas eu assisti o vídeo do passeio e achei um pouco estranho, meio que tira a magia, sabe?

– Rafiki’s Planet Watch – É uma estação de tratamento dos animais, onde é possível ver os mesmo sendo examinados e até passando por uma cirurgia (não entendi onde isso é legal para crianças, mas enfim…). Não fomos, então não posso falar muita coisa.

– Tusker House – Voltando do Safari agendamos para as 9:30 um café da manhã com os personagens no restaurante que eu mais gostei da Disney. Recomendo fortemente. Temos um review AQUI.

– Festival of the Lion King – Um show com as músicas do Rei Leão com cantores e malabaristas fenomenais. A platéia é dividida em 4 e cada uma representa um dos animais gigantes (tipo uns carros alegóricos) que entram pelas laterais do palco, girafa, elefante, leão e javali. A platéia é convidada a participar e interagir, cantar e imitar os animais. No final as crianças que estão na frente são convidadas a participar do show. São vários horários de apresentação e eu sugiro que você assista as duas primeiras ou as duas últimas para evitar filas quilométricas. Tente chegar com 30 à 45 minutos de antecedência, nós chegamos quando as pessoas já estavam entrando e acabamos sentando à quilômetros do palco. A arena é enorme e comporta quase 1500 pessoas. Os assentos traseiros são muito distantes do palco. Se você tiver as costas mais sensíveis pode sentir um pouco os assentos sem encosto.

Altura mínima: Não possui restrição.

Tempo de duração: 30 minutos mais o tempo de espera.

 

Discovery Island

A Discovery Island é a área do parque onde está a Árvore da Vida, é uma área super arborizada e com várias trilhas que levam até a Árvore.

– Discovery Island Trails – Várias trilhas que levam até a Árvore da Vida, passando por vários animais. Em um dos pontos tem uma tartaruga de Galápagos.

– Árvore da Vida – Um árvore gigantesca que representa a origem da vida. No seu tronco estão vários animais esculpidos. É tão bonito que dá para ficar horas só admirando. No entardecer um espetáculo de luz chamado Tree of Life Awakening ilumina a árvore com cenas lindas.

– It’s tough to be a bug – Filme 3D apresentado pelo Flik e o Hopper do Vida de Inseto. O mais fofo é que os visitantes usam óculos escuros que parecem olhos de insetos!!! 😉

Altura mínima: Não possui restrição.

– Personagens encontrados – Nessa área é possível encontrar o Flik , o Doug e o Russ do filme UP!, o Mickey e a Minnie com as roupinhas lindas no Safari (única opção de encontrar o Mickey assim para quem não vai no Tusker House) e a Pocahontas (eu não achei porque ela fica escondida dentro de um cantinho de plantas).

 

Dinoland


A Dinoland é uma área inteira dedicada aos Dinossauros. É uma área bem legal para crianças pequenas porque imita uma feira com vários daqueles brinquedos de tiro, derrubar latas e tal.

– The Boneyard – É um sítio arqueológico de mentirinha para crianças se sentirem exploradoras. Queria muito dar a minha opinião sobre a atração, mas a Julia estava APAGADA quando chegamos aqui. Ela dormiu antes de sairmos da Discovery Island então pulamos essa atração. Por sinal, a Julia dormiu durante quase toda a visita da  Dinoland, o que nos permitiu aproveitas as duas próximas atrações.

Altura mínima: Não possui restrição.

– Primeval Whirl – São duas pequenas montanhas russas espelhadas que possuem carrinhos que imitam uma máquina do tempo, que roda, tem pequenas quedas e vira de um lado para outro. Pode ser que deixe as pessoas com estômagos mais sensíveis  um pouco enjoadas. Não sei porque a restrição de altura é tão alta, não achei tão radical assim. Achei uma delícia, tanto que fui duas vezes com a minha mãe, mas não veria nenhum problema em levar a Julia. Mas aparentemente eles não permitem pessoas menores por causa da força G. Os giros são incontroláveis e mudam em cada volta.

Altura mínima: 122cm

Tempo de duração: 1,5 minutos! Mais a fila. Quando nós fomos a fila era de 5 minutos e eu gostei quanto que repeti.

– Dinosaur – É uma atração sobre um cara que volta no tempo dos dinossauros para resgatar uma espécie, só que ele chega lá exatamente no momento em que o meteoro colide com a Terra. Ou seja, espere um carrinho muito balançante. É um simulador real com muito escuro, fumaça e dinossauros que aparecem do nada. Como a atração tem child swap fui da primeira vez com a minha mãe usando o FP+ e ainda ganhei o card do child swap para ir novamente com o marido! Não levei a Julia, ela teria medo com certeza. Não aconselho para crianças medrosas. Tem foto inclusa no Memory Maker.

Altura mínima: 102cm. Mas a atração é bem assustadora.

Tempo de duração: Uns 4 minutos, mais a fila que é bem legal por sinal.

– Tricera Top Spin – O Dumbo do Animal Kingdom. Nesse brinquedo você voa em um Triceratópo (que por sinal, não voavam, mas enfim…)

Altura mínima: Não possui restrição.


– Finding Nemo – The Musical – Foi o show que eu mais amei da Disney!! É lindo demais. Os atores seguram bonecos gigantes dos personagens, fazem acrobacias, piadas e dão um show. É muito bonito!  O show tem FP+ mas não acho que seja essencial. Dá para conseguir bons lugares se você chegar uns 20/30 minutos antes do show. Para os dias quentes o ar geladinho é um refresco.

Tempo de duração: 40 minutos só de show. Vale CADA MINUTO!

– Rivers of Light – As arquibancadas do show noturno do Animal Kingdom ficam na Dinoland e na Ásia. Quando fomos o show não estava acontecendo mas voltou a acontecer uma semana depois que fomos embora! :-/

– Personagens encontrados – Pateta e Pluto com as roupinhas fofas de safari. Não conseguimos fotos com eles porque as filas demoravam mais de 45 minutos. O.o

 

Ásia



– Expedition Everest – MELHOR montanha russa da Disney!!! Esqueça os 7 anões, essa montanha russa é o que há de melhor na Disney. Claro que se tratando de Disney não dá para esperar loopings e tal, mas é uma montanha russa fenomenal, com uma parte acontecendo de costas que dá muito a sensação que você está em um looping.  Tem foto um pouco antes da queda principal. Fui duas vezes, a primeira usando o FP+ e sentando na segunda fileira do primeiro carrinho e na segunda usando o FP+ do marido que não teve coragem (eu sei gente, que feio! Mas o FP+ seria perdido!!!) e eu acabei indo na primeira fileira do primeiro carrinho e foi incrível!!!! Tem Single Rider e é MUITO mais rápida do que a fila normal.

Altura mínima: 112cm.

Tempo de duração: Uns 3,5 minutos, mais o tempo na fila que é muito legal.


– Kali River Rapids – Um corredeira super concorrida (sempre é uma das maiores filas do Animal Kingdom). Estava fechada para reparo quando fomos.

Altura mínima: 97 cm.

– Gibbons – Uns macaquinhos que ficam presos em uma ilha. Morri de pena, discuti com a funcionária do parque que tentou me convencer que eles adoravam estar ali só porque tinham comida! Não aguentei e repliquei que se eles estavam porque gostavam tinham que ter uma forma de sair já que eles não sairiam estando tão felizes como ela dizia. Ela não teve resposta.

– Maharajah Jungle Trek – Uma trilha dessa vez pela Ásia para ver tigres, dragões de Komodo, morcegos enormes e uma parte onde você pode ficar com muitos pássaros exóticos soltos. Embora essa parte seja bem bonita e a interação com os pássaros e morcegos seja muito interessante, foi uma área que me pareceu descuidada. Muitos vidros sujos, um tigre muito magro. Me fez lembrar que eu estava em um zoológico o tempo inteiro.

Altura mínima: Sem limite

Tempo de duração: Uns 30 minutos mas você pode demorar o tempo que quiser.

– Anandaour Ice Cream Truck – Uma barraquinha de sorvete daqueles macios, tipo o do McDonalds, bem gostoso, por sinal. Depois de ter comido um sorvete HORROROSO que era uma banana congelada coberta com uma casca de chocolate com castanhas, esse sorvete veio para reestabelecer minha fé na humanidade.


– Flight of Wonder – Uma apresentação de pássaros super bem falada. No dia que nós fomos o show também não estava acontecendo 😕

Disney, Estados Unidos, Orlando, vegetariando pelo mundo

Vegetariando Pelo Mundo – Café da manhã com personagens no Tusker House no Animal Kingdom

Antes de viajar para Orlando eu li um site gringo chamado vegandisneyworld.com inteiro! É uma ótima fonte de informações para quem é vegano ou vegetariano e está morrendo de medo de não ter opções de alimentação nos parques.  No blog o autor elege o Tusker House como o melhor buffet da Disney para veganos! Imaginem a minha animação!!! Além de boa comida eu encontraria os personagens naquelas roupinhas lindinhas de Safari, mas é claro que eu fui só pela Julia! 😁

Nós fomos no restaurante no café da manhã, logo após aproveitarmos nossas extra magic hours no Safari. Agendei o café da manhã para as 9:15 pelo my Disney experience com meses de antecedência. Como acordamos muito cedo nesse dia para fazer o check out do hotel e ainda aproveitar as extra magic hours (que nesse dia forma pela manhã) chegamos no restaurante  morrendo de fome.

Quem não tem direito a extra magic hour por estar hospedado fora do complexo Disney, minha dica é marcar o café da manhã o mais cedo possível. Quem tem reserva bem cedo pode entrar no parque antes da abertura para o público geral, e aí quando sair ainda aproveita o Kilimanjaro Safari bem cedo e antes da atração lotar. No post sobre o Animal Kingdom eu explico porque acho que o safari é muito melhor aproveitado pela manhã o que durante o resto do dia.

O restaurante

O restaurante fica na área da África do parque e, na minha opinião,  sua localização é um pouco escondida. Ele fica em uma esquina perto do teatro do Rei Leão, fiquem de olho na placa da primeira foto do post, foi por ela que eu me achei. Tem algumas plaquinhas também, mas bem discretas. A entrada é meio feinha, com um aspecto meio desleixado, mas é de propósito! Não se assuste, lembre que você está na África, uma África cenográfica, mas ainda sim uma África.

Chegamos 20 minutos antes da hora marcada e um dos funcionários da recepção explicou que teríamos que esperar alguns minutos para entrar e mostrou onde poderíamos estacionar o carrinho da Julia. Depois de esperarmos um pouco, fomos conduzidos até a nossa mesa, que ficava fora do são principal, em uma espécie de varanda fechada. Gostei desse pedaço porque como o salão é muito grande e muito cheio, nessa parte tivemos um pouco mais de privacidade. O restaurante tem ainda um outro salão que não estava sendo usado no horário que nós fomos.

Por estar na área da África o ambiente reproduzido é o de um mercado africano, com tecidos no teto imitando tendas, musica ambiente tribal, os pratos e copos parecem artesanais. Como sempre a Disney pensa em todos os detalhes e nesse restaurante não seria diferente. As comidas ficam dispostas como se fossem barraquinhas de uma feira/mercado.

Os personagens

Os personagens do restaurante são o Mickey, a Margarida, o Donald e o Pateta. O Donald é o anfitrião do Safari, então ele sempre estará presente, os outros podem mudar, mas pelo que eu li a troca de personagens não é comum nesse restaurante. Eu senti falta da Minnie mas quem também gostaria de encontra-la com a roupinha de Safari, no Adventure Outspot do parque ela está presente, junto com o Mickey.

Eles são muito atenciosos e param de mesa em mesa. Eles fazem um percurso estabelecido pelas mesas, e no meio do salão podem parar, sair por alguns minutos e voltar para a mesa que eles pararam, então não se desesperem, se chegar perto da sua mesa e um personagem sair, espere um pouquinho, em poucos minutos o personagem está de volta e certamente não deixará de passar pela sua mesa. Mas se em algum momento você perder a visita do personagem na sua mesa (porque estava pegando alguma coisa deliciosa no buffet, por exemplo), não corra atrás do personagem e interrompa uma outra mesa, o acompanhante do personagem vai te dar uma bronca, e com razão! Avise a sua atendente que você não conseguiu sua foto e ela vai conseguir que o personagem volte até você.

Assim que chegamos no restaurante o Donald e a Margarida estavam fazendo uma espécie de dança em trenzinho com  as crianças pelo salão. Algumas conseguiram até passear de mão dada com a Margarida e pela carinha delas foi a melhor parte do café. Muito fofo! Como a Julia é ultra tímida, não quis dançar nem comigo me oferecendo para ir junto (eu estava doida para ir! hahaha)

Pode ser que demore um pouco para os personagens chegarem até a sua mesa, já que são muitas mesas para passarem. O que observamos é que o Donald e a Margarida passam quase juntos, um seguido do outro, depois vem o Pateta e o Mickey.

Uma outra coisa importante, mesmo que você tenha o Memory Maker, não haverá fotógrafos dentro do restaurante! Então deixe sua câmera preparada. Quem compra o Memory Maker fica tão mal acostumado que acaba deixando a câmera de lado, mas se deixar aqui vai ficar sem fotos com os personagens!!!!

Já vi algumas pessoas que tiraram foto com algum dos personagens na porta, no dia que nós fomos não tinha nenhum por ali, só no salão mesmo.

 

A comida

Não é por acaso que o Tusker é considerado um dos melhores restaurantes da Disney. A comida é farta, saudável e para quem não aguenta mais tomar típicos cafés da manhã americanos, ela é um alívio!

Muitos itens frescos, frutas, legumes, comidas pouco processadas. Impossível não ser feliz. Já quem tem o paladar infantil pode torcer o nariz para as partes de comida mesmo já que na Africa, assim como em boa parte do mundo, é comum comer o que nós brasileiros só ousaríamos arriscar no almoço e no jantar.

São muitas opção de comida, meu melhor conselho é: aproveitem o restaurante com calma, provando todas as comidas que derem vontade, repetindo quantas vezes quiser.  O Tusker é um daqueles restaurantes que dá vontade de passar uma manhã inteira e sair rolando, sabe?

Assim que você chega senta na sua mesa já perguntam se você gostaria de café, chocolate quente e suco. O suco da casa é o Jungle Juice, um mix de laranja, maracuja e goiaba, que nós adoramos. Eles também servem o suco no Boma.

No centro do salão fica um balcão principal com vários tipos de pães doces, croissant, vários bolos e um BANANA BREAD PUDDING que era tão bom que eu comi três vezes!!!! Ainda tinha um creme para colocar por cima que estava divino. Foi o ponto alto da minha refeição junto com as bananas assadas que eu amo loucamente.

O cardápio é bem variado mesmo, além dos clássicos bacon, ovos mexidos, carne de hamburguer, torrada, iogurte, cereais, donuts, era possível encontrar algumas tortas salgadas, mingau (delicioso) de aveia com passas e canela de toppings, peru assado (eca!), waffle do Mickey, arroz, carne ensopada, tots (um bolinho de batata que os americanos amam), frango ao curry, abóbora assada (meu marido comeu e afirmou que estavam divinas, até repetiu), salada de feijão fradinho, salada de rúcula com manga, tabule. Super eclético! Para bebês eu vi algumas frutas e purê de maça.

Com essa quantidade de comida, dificilmente você vai querer almoçar, e por esse motivo eu acho que o restaurante não é caro! São duas refeições e você ainda encontra os personagens.

Já com relação às comidas vegetarianas: Existe um bom leque de opções vegetarianas e veganas, além de um balcão só com comidas sem glúten, o que eu achei fenomenal! Todos os restaurantes da Disney tem opções sem glúten, mas normalmente você precisa avisar da restrição, nesse não, elas estão expostas, basta se servir!!

O que eu mais gostei foi a variedade de comidas vegetarianas. Eram muitas opções mesmo! Nos bolos salgados, quando eu tinha alguma dúvida perguntava para o pessoal da cozinha e eles sempre ajudavam. Se você avisar a pessoa que tiver atendendo da sua restrição o chefe vai com você até o buffet para te explicar o que pode ser consumido e o que não pode. Nós não avisamos mas conseguimos nos virar sem grandes dificuldades.

Outra coisa que me chamou atenção foi a quantidade de comidas de verdade! Sério foi o lugar com a menor quantidade de comida processada de todos os lugares que  nós comemos de todos os parques.

 

Os Preços

Todas as refeições do Tusker House são com personagens! O café da manhã é bem mais barato do que as outras duas refeições (que por sinal possuem o mesmo valor, deferente dos outros restaurantes da Disney que normalmente cobram valores distintos para almoço e jantar). Menores de 3 anos não pagam.

Café:

  • Crianças 3-9 anos: 19 dólares
  • Adultos e crianças a partir dos 10 anos: 32 dólares

Almoço: 

  • Crianças 3-9 anos: 27 dólares
  • Adultos e crianças a partir dos 10 anos: 45 dólares

Jantar:

  • Crianças 3-9 anos: 27 dólares
  • Adultos e crianças a partir dos 10 anos: 45 dólares

Cardápio: Dá para olhar AQUI no site da Disney.

Dining Plan: Vale 1 crédito de Table service

 

Dicas

10 dicas de viagem que só uma mãe pode te dar

Para comemorar o dia das mães, me juntei a um grupo maravilhoso de blogueiras que viajam com os filhos pelo mundo e escrevemos sobre dicas de viagem que só mães pode te dar.

Quando eu comecei a escrever o post pensei em falar sobre 10 lugares incríveis que mães podem levar seus filhos, mas depois pensei o que são dicas maternas de verdade? Qual o real valor da dica materna? Dicas maternas boas de verdade são aquelas que não te deixam cair em furadas! Que te previnem da tragédia sem te julgar pela possibilidade de deixar a tragédia acontecer!!

Então, vamos lá!

1 – Esqueça o ritmo das suas viagens de antes de ter o bebê! – Viajar com crianças é muito diferente de viajar sem elas! Ainda mais se antes de ter a criança você era um viajante, como eu, que saia do hotel antes das 8h e só voltava às 23h. Com criança fazer isso é impossível!! Criança cansa, criança fica de mau humor quando está cansada, criança não aguenta passar o dia inteiro entrando e saindo de museus de arte contemporânea. Não dá para passar o dia inteiro tomando Mojotos na praia e esperar que a criança passe o dia inteiro na piscininhas fazendo castelos de areia, ela vai enjoar… e ter uma ensolação! A maioria das pessoas que eu vejo viajando com criança querem fazer um milhão de coisas em 24 horas já que estão gastando $ com a viagem. Gente, não dá! Nenhuma criança aguenta conhecer 5 bairros diferentes, passar em uns 2 cafés, um restaurante estrelado e terminar o dia assistindo um concerto de música clássica.

2 – Viaje o mais leve que conseguir – A regra aqui em casa é clara: se não couber na mala de mão, é supérfluo! Há 3 anos só viajamos com uma mochila e uma malas de mão! Sabe aquela que pode ir com vc na cabine? Essa!!! Normalmente nós despachamos porque sempre fazermos conexões longas e a mala, por menor que seja, atrapalha. Mas a regra é clara, roupas para no máximo uma semana, tá acabando? Procura uma lavanderia, lava tudo e repete!

3 – Intercale as atividades que você quer fazer com atividades voltadas para a criança – Por exemplo, de manhã quer ir no Louvre? Pode ir! De tarde vamos ficar no parquinho mesmo? Você pode achar chato mas seu filho com certeza ama parquinhos em qualquer lugar do mundo!! Existem atividades para crianças no mundo inteiro, afinal, todos os lugares também tem criança.


4 – Não faça economias burras. Uma vez, na primeira viagem longa da Julia, resolvemos ir com meus pais e uma amiga para a Europa. Quase 30 dias, andando de trem, visitando 4 países, com duas malas G e um carrinho gigante, além das malas dos outros passageiros. Decidimos pegar o trem noturno de Veneza para Paris, éramos 5 adultos (Julia ainda não contava), compramos 5 camas em um vagão dormitório achando que ninguém em sã consciência compraria a sexta cama! Só para lembrar, éramos 5 pessoas, todos com malas G!!! Colocamos as malas na cama “vazia”. Eis que em Milão a pessoa que comprou a sexta cama entra no vagão, tira o sapato e quase mata todo mundo com o pior chulé que eu já senti na vida!!!! Tivemos que andar pelo trem e tentar explicar para o fiscal que a Julia iria incomodar demais o chulezento com seu choro de bebê… em francês!!!! Resumindo, se tivéssemos comprado aquela cama extra desde o inicio teríamos gasto uns 10 euros extras por pessoa e não teríamos nos estressado!

5 – Vôos noturnos são sempre a melhor opção – Se a criança dorme em qualquer lugar, vôos noturnos são a melhor solução. A criança vai chegar, comer, começar a assistir um filme, e com sorte, dormir o resto do vôo! Aproveite e reserve sempre o assento da criança na janela e o de um dos responsáveis no corredor. Com sorte, ninguém vai escolher o assento do meio e a criança vai ter mais espaço para dormir.

6 – Não viaje só para a Disney – O mundo é lindo demais e com tanta coisa para fazer, deixe a Disney ser uma opção, mas nunca a única!!!

7 – Viaje sem as crianças de vez em quando, mas se você for grudada como eu, 5 dias distantes são mais do que o suficiente – Em fevereiro viajamos sem a Julia por 10 dias, nos primeiros 5 dias aproveitamos, namoramos, comemos com calma, nos outros 5 passávamos o dia inteiro com saudade dela!

8 – Não seja inflexível com a alimentação – Eu entendo que toda mãe quer que o filho tenha a melhor alimentação do mundo! Horários regrados, comida orgânica, nada processado. Eu também sou assim… em casa! Viajando eu já deixei minha filha passar um dia inteiro comendo só fruta! Tava muito calor e ela só queria saber de fruta geladinha… deixei! Também já tive que recorrer a papinhas de potinho diversas vezes. É a melhor comida do mundo? Não! Mas na falta de uma melhor, quebra o galho.

9 – Trens são ótimas opções. Crianças adoram! Tem todo um fator lúdico, a lembrança da Maria Fumaça dos desenhos (ou do Thomas e Seus Amigos, para quem tem filhos viciados como a minha filha). Além disso, o ouvido não vai doer, tem espaço para dar uma volta, tem paisagem e dependendo da criança, o balancinho vai ser um sonífero poderoso.

10 – Não deixe de viajar só porque tem filhos – Torne seu filho seu companheiro de viagem! Converse com ele sobre como vai ser o lugar que vocês vão, dê opções para ele poder escolher o que quer fazer e ajudar a montar o roteiro. Minhas viagens com a minha filha são perfeitamente resumidas na foto abaixo. É perrengue! Pode ser cansativo! Mas vai formar memórias incríveis!!!!


Se você quiser mais dicas, os blogs abaixo também participaram da blogagem e com certeza vão fazer você arrumar coragem para viajar com os pequenos!!!

Viagens que Sonhamos
Andreza Dica e Indica
Por aí com os Pires
Felipe, o pequeno viajante
Vamos Por Aí
Viajar hei
Ases a Bordo
Vem pro Parque!
Bebe Piccolo
Viajo com Filhos
MEL a Mil Pelo Mundo
Malas & malinhas
Cantinho de Ná
Diário de Viagem
Trilhas e Cantos
Viagem Simplesmente
Viajando de Carro
Do RS para o Mundo
Viagens de Mãe
Cris pelo Mundo
Ninho de Jiripoca
Blog Viaje Pelo Mundo
Carregando Malinhas
Viajando por Aí
Espelho de Si
Viajando em Familia
Ferinhas Viajantes
Pequenos pelo Mundo
Passeiorama
Gosto e Pronto
Entre Mochilas e Malinhas
Roteiro Renatours
Vou Viajar
Família Viagem
Viajar e Brincar
Viagem em Detalhes
Viajante em Tempo Integral
Viajar e Brincar
Viagem em Detalhes
Viajante em Tempo Integral

Disney, Estados Unidos, Orlando, vegetariando pelo mundo

Vegetariando pelo Mundo – Restaurante Sanaa no Animal Kingdom Lodge

O Sanaa é o restaurante queridinho de todos os veganos que vão para a Disney. Não é difícil de entender o motivo, o restaurante tem os pratos veganos mais saborosos de toda a Disney. Localizado no Animal Kingdom Lodge, na Kidani Village, o restaurante tem um cardápio, além de ambientação, com inspiração Africana/Asiática e vista para a savana.

Há alguns anos atrás ele possuía um cardápio inteiro vegano, atualmente esse cardápio não existe mais, mas vários dos pratos ainda são liberados para quem não come nada animal.
Se você for agendar o Sanaa para o jantar, sugiro que escolha um horário cedo, entre 16:30 e 17h. Motivo: A vista ara a savana fica linda no pôr do sol. Como nossa reserva era para às 18h já chegamos com o dia quase escuro e não conseguimos ver muitas coisas. Dá para pedir uma mesa com vista para a savana quando você chega, nós não pedimos porque já estava escuro, então não adiantava. Quem vai cedo além dos janelões tem uma varanda do lado de fora que permite avistar os animais.

A ambientação do restaurante é super fofa. Pés de enormes baobás cenográficos ficam espalhados pelos salão e no teto várias lanternas gigantes ditam o clima do ambiente. As mesas parecem que estão dentro de formigueiros porque elas tem umas paredes irregulares terracota. É muito bonito.

 

A comida

 

A comida do Sanaa não foi feita para quem tem o paladar infantil. Esqueça os hambúrgueres e pizzas, aqui a comida é apimentada, bem temperada e agridoce e as combinações são bem mais exóticas do que as que você normalmente encontra em um parque da Disney. Talvez por esse motivo o restaurante não seja um dos mais populares do complexo. A inspiração da cozinha é Asiática/Africana então espere muitos ensopados, muito tempero, muito legumes e muito aroma. Na minha opinião o restaurante é quase um restaurante indiano. A comida passa bem longe do estilo do sudeste asiático, por exemplo, mas me lembrou muito as comidas indianas que eu adoro.

O prato queridinho do restaurante é um combo de 5 pães indianos que vem com uns molhos de acompanhamento. Você pode escolher entre 3 ou 9 opções. Enfie logo o pé na jaca e peça os 9 e entenda como o fator pimenta pode ter escalas crescentes de ardência. É uma delícia para que ama pimenta. Já quem não curte vai odiar! Mas dá para pedir só pelo pão mesmo, que é maravilhoso. Um dos pães é vegano e sem glúten e você pode pedir 5 deles. Nós pedimos os 5 diferentes. Nosso molho favorito foi o Chutney de Manga (eu amo! poderia comer todo dia) e um outro com base de pepino que era bem fresquinho.

As samosas não estão no cardápio regular, mas eu pedi e eles fizeram para mim. Eu amo Samosas, um enrolado indiano com um recheio de batata e uma massa que lembra a dos nossos pastéis. Geralmente picante e acompanhada de um chutney de manga. Não sei porque não aparece no cardápio regular, mas definitivamente é uma opção para os veganos.

É possível pedir um prato vegano com arroz, lentilha e um curry de legumes. Não pedimos mas pelas fotos que eu vi, parece delicioso.

Terminamos nosso jantar com frango amanteigado (para a minha mãe, que não é vegetariana) e um curry de legumes. Aqui tivemos o único problema com o restaurante. Nosso atendimento foi bem ruim. O rapaz que estava responsável pela nossa mesa, orientou que pedíssemos esse prato para a Julia e garantiu que não era apimentado e que era ótimo para o paladar infantil. Nossa sorte foi ter experimentado antes. O curry, embora delicioso, era tão apimentado que nem o meu lassi de manga abrandava. Nosso atendimento foi bem estranho, e em boa parte do tempo parecia que o cara só queria que nós fossemos logo embora. Ele não deixava nem que nós olhássemos o cardápio, ficava apressando, foi bem estranho.

Se seu filho está mais acostumado com o combo pizza, refrigerante, nuggets (eca!) não se desespere! O Sanaa tem um menu infantil com pizza, cheeseburguer ou frango na manteiga, qualquer um dos 3 pratos vem acompanhado de uma bebida e uma sobremesa. Ainda é possível pedir pratos infantis adicionais como porção de legumes, batatas tostadas, macarrão com queijo ou frutas.

Para quem quer dar uma olhada no cardápio antes de fazer a reserva, dá para ver AQUI.

A reserva pode ser feita pelo My Disney Experience

 

Conclusão

 

Vale a pena ir no Sanaa?

Vale! Embora um pouco mais caro, como todo table service, a comida é maravilhosa! Imperdível para quem gosta de comida com inspiração indiana, temperos e misturas de sabores. Voltaria sempre, mesmo tendo passado por uma experiência exótica no atendimento. Além disso, para quem não está hospedado no hotel, é uma forma de ver os animais bem de perto. Só não esqueça de reservar um horário antes do pôr do sol.

 

Disney, Estados Unidos, hospedagens pelo mundo, Orlando

Como é ficar no Animal Kingdom Lodge – O hotel Deluxe mais selvagem da Disney

Um hotel de selva no meio dos parques da Disney, essa é a proposta do Animal Kingdom Lodge, o hotel mais exótico de todos os hotéis da Disney. É um hotel da categoria Deluxe da Disney, ou seja, os hotéis de luxo do complexo, embora seja o mais acessível de todos eles.

Eu não vou mentir, eu desejei ficar nele durante anos. Eu nem sei explicar o motivo, talvez fosse o pé direito gigantesco, ou talvez a árvore de natal que aparece em todas as fotos da Disney em dezembro, ou a possibilidade abrir a varanda e dar de cara com uma uma girafa na minha varanda (isso nunca vai acontecer, depois eu explico), ou quem sabe a possibilidade de encontrar com algum personagem com aquela roupinha linda de safari. Como se não bastasse ele tem restaurantes fantásticos, que são elogiados em absolutamente todos os blogs que falavam sobre alimentação vegetariana/vegana da Disney. 

O Animal Kingdom Lodge fica dentro da área do parque Animal Kingdom e faz parte de um complexo que, além do parque, também inclui o Animal Kingdom Village – Kidani Village, mas não se engane, apesar de próximo, ele ainda fica bem distante do parque, uns 15 minutos de ônibus. A distância não é um problema já que, como todos os outros hotéis da Disney, ele também está ligado a todos os parques e a Disney Spring por ônibus que saem em intervalos regulares.

Por sinal, já chegamos no hotel com um transporte Disney, o Magical Express, o ônibus da Disney que sai do aeroporto de Orlando e leva os hóspedes para seus respectivos hotéis.

Não dá para negar que a entrada no lobby do hotel é de tirar o fôlego. Com seu pé direito muito alto e sua decoração em madeira escura deixam o ambiente ao mesmo tempo acolhedor e familiar. Ajudou ter um grupo de crianças batucando instrumentos e cantando músicas africanas com uma recreadora bem na entrada do hotel quando chegamos.

Check-in

O balcão de check-in fica localizados logo na entrada, do lado esquerdo do lobby. Vários atendentes trabalhando ao mesmo tempo. Como chegamos depois das 22h o local estava bem vazio mas acredito que nos horários de pico em alta temporada, devem ficar bastante lotados. O check-in, foi rápido e nos ofereceram um upgrade para um quarto com vista para a savana por 300 dólares (para toda a estadia). Nós tínhamos reservamos uma quarto sem vista em uma promoção da Disney que nos rendeu um belo desconto na hospedagem (quase 50% do valor cheio do quarto). O upgrade subiu um pouco o valor mas ainda ficou muito mais barato do que o valor que pagaríamos se tivéssemos feito a reserva do quarto com savana pelo site da Disney. Para quem não sabe, a diferença de preço de um quarto sem/com vista para a savana é de uns 150 dólares/noite. Então fica a dica, para quem vai em meses de baixa temporada, vale a pena arriscar a reserva de um quarto mais barato e tentar um upgrade para os quartos com vista, a economia foi de quase 500 dólares.

O Hotel

Cheiro de madeira e lenha queimando, essa é a lembrança que eu guardei do hotel. Sempre tem uma lareira acesa e o cheiro dela te convida a sentar e tomar um chocolate quente enquanto se aquece. Como nós pegamos bastante frio de noite e pela manhã, era reconfortante chegar no hotel morrendo de frio e ser acolhida com o quentinho da lareira.

Que o hotel é lindo eu já falei né? A temática africana está presente em todos os detalhes, das máscaras e esculturas, passando pela ponte suspensa, as cadeiras de palha e madeira, muito tecido cru.

Dentro do hotel uma loja da Disney chamada Zawadi Marketplace que vende coisas da Disney com a temática do Animal Kingdom, ou seja, muita onça, muita zebra, muita girafa. Além de alguns snacks, alguns objetos de decoração e coletes daqueles caqui muito comuns em safáris.

O hotel é gigantesco, são 972 quartos, então se prepare para se perder algumas vezes. Depois de um tempo você entende a logística dos quartos e fica mais fácil andar, mas me perdi várias vezes. Passei quase meia hora procurando a lavanderia e no primeiro dia tentei sair do restaurante e voltar para o quarto e terminei na academia.

A disposição dos corredores é em semi-círculo para que mais quartos tenha vista para as Savanas.

Além dos restaurantes, Concierge, áreas infantis, o hotel conta ainda com uma lavanderia enorme, no estilo americano, ou seja, com mas moedas você compra o sabão, mais outras moedas você liga a lavadora e por último coloca umas moedas para a secadora. Como o hotel é moderno é possível pagar tudo com cartão em uma maquininha que fica na parede. Super prático.

Ainda sobre o hotel, preciso contar que meu Magic Moment aconteceu nele! Para quem nunca ouviu falar no Magic Moment, é um momento que faz você entender a magia da Disney! Algumas pessoas ganham presente porque é o dia do aniversário, já li de crianças que ganharam um novo brinquedo porque o delas quebrou ou caiu no lago. Pois bem, eu viajei com um anel que eu AMO! Que eu ganhei de presente quando estava grávida. Não é um anel barato e chama bastante atenção. Todos os dias eu colocava ele na haste do meu óculos para não perder já que ele me incomoda para dormir. Na última noite no hotel eu tirei para dar banho na Julia e deixei na pia do banheiro. Esqueci. No dia seguinte fizemos o check out e fomos direto para o Animal Kingdom passar o dia, de lá voltaríamos no hotel para pegar as malas e seguiríamos para o hotel da Universal. Quando eu estava na fila da segunda atração do parque eu percebi que meu anel não estava no dedo. Não me lembrava se tinha esquecido no hotel ou se ele tinha caído do meu dedo. Meu dia acabou ali. Não quis sair do parque para não perder os ingressos também já que existia um grande risco de nunca mais achar meu anel. Meu marido tentou ligar várias vezes para o hotel mas a ligação sempre caia. Quando saímos do parque voltamos para o hotel. Eu fui na recepção já sem nenhuma esperança de achar. Mas alguns minutos depois o recepcionista que me atendeu disse que eles estavam com o anel e que eu só precisaria esperar alguns minutos para darem baixa o sistema. Todos foram tão gentis e prestativos que ali eu entendi o diferencial de atendimento da Disney.

O quarto

Os quartos do hotel são um capítulo à parte. Bem grandes!!! O que nós ficamos tinham duas camas Queen, uma mesa com duas cadeiras, uma TV, cafeteira, ferro de passar, tábua de passar, cofre, um armário onde couberam todas as malas, um mini frigobar (como todos os quartos da Disney) e muitas gavetas para guardarmos tudo. Além da varanda com duas cadeiras que serviam para observarmos a Savana. Na parte do banheiro tínhamos uma super pia, com secador de cabelos, separada do vaso sanitário e do box, um espelho de corpo inteiro na porta. Única reclamação do quarto: CORTINAS no box!!! ODEIO!!!! Mas sei que são comuns nos EUA, então…

Todos os detalhes do quarto também remetem à Africa, até o papel de paredes tem estampado animais e mapas africanos.

Os quarto Standard, Pool e Savana são iguais por dentro. A única coisa que muda é a vista deles. Vi muita gente alegando que não valia a pena pagar a diferença do quarto já que existem vários pontos para avistar os animais do hotel, mas eu acho que acordar, abrir a varanda e ver vários bichos passeando, vale a diferença.

Minha única preocupação é que a cama é BEM alta, não deixaria a Julia dormir nela sozinha. Fizemos uma barreira com a caixa de um carrinho de bebê mas se não tivéssemos a caixa ela teria que dormir conosco na nossa cama.

Existem quartos que ao invés de terem duas camas Queen, tem uma cama e um beliche. Acho que essa seria a melhor opção para quem vai com crianças.

Há outras opções de quarto, existe a suíte de um quarto e até suítes com 2 quartos, o preço é estratosférico e eu nem procurei saber dos detalhes.

Atividades para crianças

São tantas atividades voltadas para crianças que a não ser que você separe um bom tempo para ficar no hotel, você não vai aproveitar nem 10% delas. As mais populares eram:
– Uzima Spring – Piscina imensa, aquecida e com um toboágua e uma pequena praia, além de várias espreguiçadeiras. Encontramos também duas jacuzzis e difícil foi fazer minha filha sair de uma e voltar para a piscina;
– O parquinho – Perto da piscina um parquinho com escorrega e brinquedos de criança também distraem bastante;
– Simba’s Clubhouse – Não fomos mas existe um clube para crianças por lá. Eles tem até mesmo serviço de babysitter e o valor é pago por hora (quando fomos era 15 dólares/hora por no mínimo 2 horas). Podem ficar crianças de 3-12 anos e além de filmes, as crianças podem brincar com jogos de tabuleiro, brinquedos e interagir com outras crianças;

A Savana

Existem 3 Savanas no hotel: Sunset, Arusha and Uzima. A mais famosa e maior é a Arusha. Nela o hóspede tem uma boa vista das girafas, zebras, cerdos, porcos selvagens, entre outros. Já a Sunset é um bom ponto para ver o sol se pôr. Confesso que não fui nessa. A Uzima é próxima da piscina. Nela é possível ver flamingos, Touros, muitos pássaros e búfalos.

A área de Savana do Animal Kingdom tem quase 1km2 de extensão, mas foi exatamente ela que quase me fez desistir de ficar no hotel. Desde que eu virei vegetariana, eu tomei pavor de zoológicos e pela transferência de animais perfeitamente saudáveis para locais fora do seu habitat natural. E eu não posso mentir, o hotel é um grande zoológico. Tem muito espaço para os animais? Tem! Mas continua não sendo o local que eu gostaria que eles estivessem de verdade. Se esse detalhe não te incomoda, então você não vai ter nenhum porém como hotel. Se isso te incomoda, tanto quanto a mim, você vai ter uma relação de amor e ódio com o hotel.

Não posso mentir que ver os animais tão de perto, sem grandes barreiras é emocionante e que a Julia ficou maravilhada e certamente vai ser a maior lembrança que ela guardará da viagem. Seria melhor ter visto os mesmos animais em uma reserva africana? Certamente!

Dito isso, a Savana é gigantesca, são 200 animais na Savana e mais 130 aves espalhadas por vários pontos. Os animais ficam bem próximos dos quartos mas uma cerca muito bem escondida no chão não permite que eles cheguem há mais de uns 50 metros do hotel. Os únicos animais que eu vi passarem pelas cercas foram os patos. Então aquele sonho de fazer carinho em uma girafa enquanto toma seu café está fora de cogitação, melhor guarda-lo para algum hotel na Africa mesmo.

Além de poder observar da varanda do quarto, o hotel tem algumas varandonas de ponto de observação dos animais, alguns até com binóculos gigantescos. E um ponto central que entra em boa parte da Savana Arusha e que é o ponto que permite que os hóspedes cheguem bem perto dos animais, que são alimentados estrategicamente há alguns metros dali. É nesse local também que às 17h fogueiras são acesas e marshmallows são assados. Durante a manhã e a tarde alguns funcionários do hotel ficam ali falando sobre os animais, tribos africanas, além do clima e da geografia das savanas. Como quase todos funcionários da Disney, esses eram super solícitos e simpáticos.

Na maior parte do dia a Savana fica bem esvaziada e quem fica no hotel poucas horas e passa a maior parte do tempo nos parques pode ficar bastante frustrado já que em todas as imagens de divulgação do hotel parece que muitos bichos em frente ao hotel. Os melhores horários para observar os animais foram às 10h e às 16h, provavelmente por ser o horário de alimentação, nesses momentos o movimento da savana parecia até a cena da apresentação do Simba no Rei Leão de tanto bicho.

Os restaurantes

Não vou falar dos restaurantes que tem no hotel porque eu vou fazer um post só para eles. O hotel tem 4 restaurantes:
Boma – Restaurante buffet com grande variedade de comidas e bem informal
The Mara – Restaurante de fast service, bom para café da manhã e lancher rápidos
Sanaa – Restaurante com vista para a Sanava e cozinha Asiática/Africana (bem puxado para a cozinha indiana)
Jiko – Restaurante grã fino. Não passamos nem perto.

Considerações finais

Minha opinião final sobe o hotel é que ele meio que joga sujo com os outros. Ele é tão lindo e a atmosfera é tão perfeita que é difícil pensar em ficar em outro hotel da Disney depois de descobrir como ele é incrível, mas recomendo fortemente que no seu planejamento você reserve pelo menos 2 dias só para aproveitar o hotel, suas atividades e restaurantes. Nós reservamos 1 dia e meio e eu achei muito pouco.
É um hotel delicioso e com várias atividades para crianças e adultos, além de caro, vale a pena sacrificar uns dias de parque para fazer o dinheiro gasto valer a pena.

Holanda

Keukenhof – Visitando o famoso parque das tulipas da Holanda com crianças

Dia 23 de março, o parque de tulipas mais famoso do mundo abriu as suas portas para visitação. 

Diz a história que as tulipas chegaram na Holanda vindas da Turquia no século VXI através de um médico e botânico chamado Carolus Clusius, professor de botânica de Leiden. Carolus escreveu o primeiro tratado sobre tulipas que se tem relato. Um episódio da história conhecido como Tulipomania quase levou a Holanda à falência em 1637 e foi um dos primeiros relatos de bolhas especulativas que sentem história. As tulipas são praticamente uma instituição Holandesa e motivo de orgulho nacional! Hoje em dia elas não são tão caras como foram no século XVII, sorte nossa meros mortais, já que no passado um bulbo de uma espécie rara poderia custar tanto quanto uma casa em Amsterdã (oi?!?!). Embora sejam flores sem aroma e que só florescem por no máximo 2 semanas é fácil de entender a paixão pelas flores, elas são lindas!!!
Aqui no Brasil vemos pouquíssimas espécies já que são flores de climas frios e que por serem muito sensíveis, sobrevivem pouco tempo no nosso clima.

O Keukenhof é um parque sazonal que abre na primavera e só fica aberto por uns dois meses a cada ano! A data de abertura muda anualmente. Em 2017 suas flores estarão disponíveis para nosso deleite do dia 23 de março até 21 de maio. É um bate-volta de um dia super interessante de fazer para quem está em Amsterdã durante os meses que o parque está aberto para visitação. Mas não é super tranquilo chegar até lá, não! Existem algumas formas de se chegar no parque e algumas são um pouco furadas.

Todo ano o parque tem um tema diferente, que rege as instalações de arte que são expostas pelo parque. Esse ano o tema do parque é o Design Holandês. Um dos jardins será dedicado a Mondriaan e suas cores primárias.

Por ser uma atração que está aberta por um espaço de tempo tão curto, o parque enche bastante. Evite ir em fins de semana. 

Entenda também que embora a floração seja prevista, é impossível saber a quantidade de plantas que você vai encontrar floridas já que a floração depende de uma série de fatores como temperatura, clima, etc. Normalmente a melhor época vai do meio de abril até o meio de maio, mas não há garantias. Eu fui no final de abril em 2015 e encontrei o parque muito florido, já os campos ao redor já estavam ficando sem flores. Nos anos de mais frio, a floração é tardia, e por aí vai.

horário de funcionamento:

O parque fica aberto de 8h às 19:30 mas a bilheteria fecha às 18h.

Lockers:

Há lockers disponíveis no parque. Lembre que ele é bem grande então se você ficar andando com muitas coisas vai ser bem disconfortável.

Como comprar o ingresso e como ele funciona:

O ingresso pode ser comprado cominado com o transporte (para quem vai de ônibus ou trem) ou pode ser comprado individualmente por quem vai de carro. Os valores dos ingressos individuais estão abaixo, os valores dos tickets combinados estão na parte dos transportes.

Adulto: 16 euros
Criança (4-11): 8 euros
Criança (0-3): gratuito 
Grupos de 20 à 200 pessoas: 13,50/pessoa
Guia impresso: 5 euros

Como chegar no parque:

* Carro – Da para alugar um carro e dirigir até Lisse. A cidade fica à 42Km de Amsterdã. O caminho é bem sinalizado. Para chegar pegue a motorways A4 (saída Nieuw-Vennep) and A44 (saída 3, Lisse). No parque há um estacionamento por 6 euros.

* Trem ou ônibus – Saindo da praça Schiphol basta pegar o ônibus 858. Já se você estiver perto da estação Leiden centraal basta pegar o ônibus 854. Ambos são Keukenhof Express e te deixam na entrada do parque. Para ir dessa forma você precisa comprar o combo ônibus + entrada.
O parque vende ingressos combinados de ônibus + tickets ou trem + ônibus + tickets e você por compra-los Nos locais indicados aqui.

* Excursão – Método mais utilizado pela maioria dos mortais. Você entra em um site que venda o passeio de um dia, compra o combo que vende a passagem em ônibus fretada + o ticket, encontra todo mundo em um ponto de encontro e segue a vida, certo? Mais ou menos!! Eu comprei o nosso combo em um site bem conhecido sobre Amsterdã e que é parceiro da empresa mais popular de passeios curtos da Holanda e me lasquei! Talvez a culpa seja minha, que já não gosto desse tipo de passeio, mas quando eu fui foi uma bagunça! O ponto de encontro era em frente a loja da operadora no centro de Amsterdã, chegando lá tinha a concentração de pessoas enorme de pessoas, ninguém organizando as filas. Deu a hora da saída e nada, se você reclamasse era atendida com grosseria pelos “profissionais” da operadora dos passeios, até xingada de p*ranha eu fui. Quase 1 hora depois da hora marcada para a saída do ônibus, fomos levados para uma outra rua onde uns 8 ônibus esperavam os milhares de turistas que se acotovelavam. O ônibus não era marcado, o lugar não era marcado, e quase que eu não consegui sentar junto do meu marido e do meu irmão, isso porque eu estava com uma bebê de 1 ano de idade!!! Aí você me pergunta, se eles deram mais uma hora no parque, já que atrasamos tanto. Não deram!!! Nós tivemos que fazer o parque correndo e quase não tivemos tempo de ir nos campos de tulipas. FUJA desse programa de índio!!!!


Atividades programadas para esse ano:

25/03/2017 – 26/03/2017
Festival de música Keukenhof 

31/03/2017 – 02/04/2017
Fim de Semana da Herança Holandesa 

07/04/2017 – 09/04/2017
Mercado de Flores Keukenhof 

14/04/2017 – 17/04/2017
Fun for Kids

22/04/2017
Parada das Flores – Esse é o dia mais esperado! A parada das flores sai de Noordwijk às 9:30, passa em frente ao Keukenhof às 15:40 e termina no Haarlem às 21:15.

24/04/2017 – 30/04/2017
Keukenhof Semana do Design Holandes 

06/05/2017 – 07/05/2017
Food & Flower Festival

13/05/2017 – 14/05/2017
Romance no Keukenhof

20/05/2017 – 21/05/2017
Flowers & Fashion Festival

Cães:

O parque permite a entrada de cães desde que fiquem na coleira. Eu achei isso o máximo!! Meu cachorro iria adorar!!!

Como visitar os Campos que ficam ao redor do parque:

Se o parque é lindíssimo, os jardins próximos dele são a visão do paraíso. Alguns tem vários avisos informando que se trata de uma propriedade particular e não pode entrar, mas no geral é bem fácil de entrar em um deles e andar pelas plantações. Basta sair do parque (é possível entrar novamente no parque no mesmo dia) e andar na direção das plantações. Os campos que autorizam a visitação são um pouco distantes do parque, então sugiro fazer o passeio com uma boa janela de tempo.

Quanto tempo devo reservar para a visita:

Eu reservaria um dia inteiro para ver o parque com calma, passear de barco, alugar uma bicicleta e andar pelos campos de tulipas que cercam o parque. Para quem tem disposição, é possível pedalar até uma praia que fica próxima ao parque.

É um bom programa para crianças?

É um programa maravilhoso para crianças de todas as idades. As pequenas vão se encantar com a mini fazenda, as flores coloridas e a aventura do passeio de barco. Já as maiores podem se deliciar com um super passeio de bicicleta.


Quais atividades encontro no parque e próximo dele para os pequenos?

– Mini Fazendinha: A entrada da mini fazendinha já está inclusa no ingresso. E foi o que a minha filha mais gostou em todo o passeio.


– Passeio de barco ao redor do parque: É possível passear em um barco e navegar por riachos que ficam ao redor do parque, passando por alguns campos de tulipas. São barcos pequenos, de temos, conduzidos por um barqueiro. Crianças amam a brincadeira. O passeio dura uns 40 minutos e o ticket pode ser comprado no moinho que fica dentro do parque. Preços:

Adulto: 8 euros 
Criança (0-3): gratuito 
Criança (4-11): 4 euros

– Passeio de bicicleta: próximo à entrada do parque é possível alugar bicicletas para passear nos campos de tulipas que ficam próximos ao parque. Em dias lotados, só é possível conseguir a bicicleta cedo. No dia que nós fomos a fila de espera era de mais de 2 horas. Acabamos fazendo o passeio andando, mas sem dúvida nenhuma, fazer de bicicleta deve ser sensacional. Para quem tem mais tempo para ficar por lá é possível pedalar até dunas é uma praia. O aluguel da bicicleta normal custa 10 euros, a bicicleta dupla custa 25 euros. Eu não vi nenhuma bicicleta com cadeirinhas para crianças pequenas, mas como eu falei, fomos em um dia muito cheio e não tinham bicicletas expostas.